Home / MÚSICAS / Evolução cultural da música

Evolução cultural da música

Evolução cultural da música
Evolução cultural da música

Evolução cultural o conceito de foi fundamental para a base da musicologia acadêmica e do subcampo da musicologia comparativa, mas desapareceu em grande parte da discussão após a Segunda Guerra Mundial, apesar de um recente ressurgimento do interesse na evolução cultural outros campos.

Ao mesmo tempo baseio-me nos recentes avanços na compreensão científica da evolução cultural para esclarecer equívocos persistentes sobre os papéis dos genes e o progresso na evolução musical, e rever a literatura relevante para a evolução musical que vão desde a macroevolução da estilo musical global para a microevolução das famílias de música.

Ao passo que também abordo as críticas sobre questões de agência musical, ou seja, e reducionismo, e destacar potenciais aplicações, incluindo educação musical e direitos autorais. Embora a evolução cultural nunca explique todos os aspectos da música, ela oferece um quadro teórico útil para entender a diversidade e a mudança na música do mundo.

Introdução

A princípio o conceito de evolução desempenhou um papel central durante a formação da musicologia acadêmica no final do século XIX (Adler, 1885/1981; Rehding, 2000). Decerto durante o século XX, as implicações teóricas e políticas da evolução foram fortemente debatidas, levando a evolução a sair do favor da musicologia e da antropologia cultural (Carneiro, 2003).

Em resumo no século XXI, conceitos refinados de evolução biológica foram reintroduzidos à musicologia através do trabalho de psicólogos da música na medida em que a evolução biológica da capacidade de fazer e experimentar a música (“evolução da musicalidade“) voltou como um importante tema da pesquisa musicológica contemporânea (Wallin et al., 2000; Huron, 2006; Patel, 2008; Lawson, 2012; Tomlinson, 2013, 2015; Afiação, 2018).

No entanto, o conceito de evolução cultural da própria música (“evolução musical”) permanece em grande parte subdesenvolvido por musicólogos, apesar de uma explosão de pesquisas recentes sobre a evolução cultural em áreas relacionadas, como a linguística. Esta ausência tem sido especialmente proeminente na etnomusicologia, mas também é observável na musicologia histórica e outros subcampos da musicologia Footnote1.

Evolução cultural, a exceção

No entanto, os musicólogos mostraram preocupação e alguma confusão sobre o conceito de evolução cultural.

Evolução cultural, definições

A princípio meu objetivo neste artigo é esclarecer algumas dessas questões em termos de definições, suposições e implicações envolvidas no estudo da evolução cultural da música para mostrar como a teoria evolutiva cultural pode beneficiar a musicologia de várias maneiras.

Começarei com uma breve visão geral da evolução cultural em geral, passarei para a evolução cultural da música em particular e, em seguida, terminarei abordando algumas aplicações e críticas potenciais. Porque este artigo é destinado tanto a musicólogos com conhecimento limitado da evolução cultural e em evolucionistas culturais com conhecimento limitado da música, tenho incluído alguma discussão que pode parecer óbvio para alguns leitores, mas não outros.

O que é “evolução”?

Embora o termo “evolução” seja muitas vezes assumido para se referir ao progresso direcional e/ou a exigir uma base genética, nem os genes nem o progresso estão incluídos em algumas definições gerais contemporâneas de evolução. Além disso, embora seja verdade que a descoberta de genes e os mecanismos moleculares precisos pelos quais eles mudam revolucionou a biologia evolutiva, Darwin formulou sua teoria da evolução sem o conceito de genes.

Do mesmo modo em vez de genes, a teoria da evolução de Darwin pela seleção natural continha três requisitos-chave: (1) deve haver variação entre os indivíduos; (2) a variação deve ser herdada por meio de transmissão intergeracional; (3) certas variantes devem ser mais propensas a serem herdadas do que outras devido à seleção competitiva (Darwin, 1859). Esses princípios se aplicam igualmente à evolução biológica e cultural (Mesoudi, 2011).

A evolução veio frequentemente ser definida em termos puramente genéticos durante o vigésimo século. No entanto, os recentes avanços em nossa compreensão de áreas como evolução cultural, epigenética e ecologia (Bonduriansky e Day, 2018) levaram a novas definições inclusivas de evolução como:

o processo pelo qual as frequências de variantes em uma população mudam ao longo do tempo’, onde a palavra ‘variantes’ substitui a palavra ‘genes’ a fim de incluir qualquer information….In herdada particular, isso… deve incluir herança cultural.

Evolução cultural da música
Evolução cultural, A cultura “evolui”?

A partir do momento em que Darwin (1859) propôs pela primeira vez que sua teoria da evolução explicava “A Origem das Espécies”, os estudiosos imediatamente tentaram aplicá-la para explicar a origem da cultura. Na verdade, o próprio Darwin argumentou explicitamente que a evolução da linguagem e das espécies era “curiosamente paralela… a sobrevivência ou preservação de certas palavras favorecidas na luta pela existência é a seleção natural”. Estudiosos da evolução cultural tabularam uma série de tais “paralelos curiosos”, aos quais adicionei exemplos musicais.

Teorias sobre a evolução cultural rapidamente adotaram suposições sobre o progresso (por exemplo, Spencer, 1875) ligadas a tentativas de legitimar ideologias da superioridade ocidental e justificar a opressão dos fracos pelos poderosos como sobrevivência dos mais aptos (Hofstadter, 1955; Laland e Brown, 2011; Meia, 1982). Não é por acaso que a icônica ilustração “March of Progress” de Zallinger (Fig. 1) mostrou um clareamento gradual da pele de ancestrais de pele escura e semelhantes a macacos a seres humanos de pele clara: a evolução foi usada para justificar o racismo científico por eugenistas (Gould, 1989).

Embora tanto o clareamento da pele quanto a progressão linear de macaco para homem sejam imprecisos (Gould, 1989), esta imagem infelizmente permanece extremamente duradoura e é comumente adaptada para representar todos os tipos de evolução, incluindo a evolução musical (por exemplo, http://www.mandolincafe.com/archives/spoof.html).

Evolução cultural, progresso

Além disso ideias de progresso linear através de uma série de estágios fixos continuaram a dominar a evolução cultural por mais de um século (ver Carneiro, 2003 para uma revisão aprofundada). Contudo não foi até o final do século 20 que várias equipes de estudiosos, incluindo Charles Lumsden e Edward O. Wilson (1981), L. Luca Cavalli-Sforza e Marcus Feldman (1981), e Robert Boyd e Peter Richerson (1985) começaram a fazer tentativas de modelar e medir mudando freqüências de variantes culturais (aka “memes”; Dawkins, 1976), como cientistas como Sewall Wright e Ronald Fisher tinham feito para freqüências genéticas desde a década de 1930.

O trabalho teórico e empírico de estudiosos evolutivos culturais que emergiram dessa tradição tem sido crucial para demonstrar que a evolução ocorre “Not by Genes Alone” (Richerson e Boyd, 2005). Estudiosos aplicaram teoria e métodos da biologia evolutiva para ajudar a entender processos evolutivos culturais complexos em uma variedade de domínios, incluindo línguas, folclore, arqueologia, religião, estrutura social e política (Mesoudi, 2011; Levinson e Gray, 2012; Whiten et al., 2012; Fuentes e Wiessner, 2016; Henrich, 2016; Bortolini et al., 2017; Turchin et al., 2018; Whitehouse et al., Na imprensa).

O campo agora floresceu na medida em que os pesquisadores fundaram uma sociedade acadêmica dedicada: a Cultural Evolution Society (Brewer et al., 2017; Youngblood e Lahti, 2018). Sua conferência inaugural em setembro de 2017 no Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana contou com a presença de 300 pesquisadores de 40 países (Savage, 2017).

Evolução cultural, linguagem

A linguagem provou ser particularmente receptiva à análise evolutiva. Por exemplo, aplicar métodos filogenéticos da biologia evolutiva a listas padronizadas de 200 das palavras mais universais e de mudança mais lenta. Essas relações evolutivas podem ser representadas como árvores ou redes filogenéticas (com algumas ressalvas, c.f. Doolittle, 1999; Gray et al., 2010; Le Bomin et al., 2016; Tëmkin e Eldredge, 2007). Tais filogenias podem, por sua vez, ser úteis para explorar questões evolutivas mais complicadas, como sobre a existência de universais transculturais (incluindo aspectos universais da música, cf. Savage et al., 2015]) ou coevolução da cultura gênica (por exemplo, o coevolução da tolerância à lactose e da pecuária leiteira, Mace e Holden, 2005).

Evolução cultural, teorias

Embora as teorias evolucionárias culturais modernas tenham tornado obsoletas muitas das críticas anteriores sobre a evolução cultural (por exemplo, suposições de progresso ou de replicadores meméticos diretamente análogas aos genes; cf. Henrich et al., 2008), ainda há um ativo debate sobre o valor da evolução cultural, com críticos vindo stanto das ciências quanto das humanidades. Por exemplo, o psicólogo evolucionista Steven Pinker (2012) ainda sustenta que a evolução cultural é simplesmente uma “metáfora solta” que “acrescenta pouco ao que sempre chamamos de ‘história'”, ecoando críticas semelhantes feitas pelo historiador Joseph Fracchia e geneticista Richard Lewontin (1999, 2005).

Evolução cultural, criticas

O antropólogo biológico Jonathan Marks também criticou fortemente a evolução cultural como sendo baseada em “premissas falsas” (Marks, 2012, p. 40) e adicionando pouco valor além das explicações tradicionais da antropologia cultural. Parece justo dizer que, enquanto a evolução cultural está fazendo um retorno ea idéia básica de que a cultura muda ao longo do tempo é indiscutível, a idéia de que a teoria evolutiva e seus métodos podem melhorar a nossa compreensão da mudança cultural e da diversidade ainda tem que inequivocamente provar o seu valor. Talvez a música possa ser uma área que poderia ajudar?

Evolução musical e musicologia comparativa precoce

Evolução musical e musicologia comparativa precoce

Já delineei alguma teoria evolutiva cultural moderna como parte de um dos cinco temas principais em uma “nova musicologia comparativa” (Savage e Brown, 2013), incluindo as relações entre evolução cultural e os outros quatro temas (classificação , história humana, universais e evolução biológica)Nota de rodapé4. Os primeiros musicólogos comparativos, no entanto, basearam-se na noção de evolução progressiva de Spencer, em vez da diversificação filogenética de Darwin (Rehding, 2000) Nota de rodapé5. Dois pressupostos foram fundamentais para grande parte do trabalho das figuras fundadoras da musicologia comparativa:

• 1. As culturas evoluíram de simples para complexo, e como eles fazem isso eles se movem de primitivo para civilizado.

• 2. A música evolui de simples para complexo dentro das sociedades à medida que progridem. (Pedra, 2008, p. 25)

As Origens da Música

Por exemplo, em As Origens da Música, Carl Stumpf escreveu sobre “as canções mais primitivas, por exemplo, as da Vedda do Ceilo. Dessa forma pode-se rotulá-los como meros estágios preliminares ou mesmo como as origens da música.” (Stumpf, 1911/2012, p. 49). Já em 1943, Curt Sachs escreveu sobre “a verdade clara de que o canto dos pigmeus e pigmeus está infinitamente mais próximo dos primórdios da música do que as sinfonias de Beethoven e o lieder de Schubert.

A única hipótese de trabalho admissível é que a música mais antiga deve ser encontrada entre os povos mais primitivos” (Sachs, 1943, p. 20-21). Estudiosos da “escola de Berlim” de musicologia comparativa, como Stumpf, Sachs e Erich von Hornbostel, criaram o Berlin Phonogramm-Archiv, o primeiro arquivo de gravações musicais tradicionais de todo o mundo, motivado s em parte pela crença de que eles poderiam usar essas gravações para reconstruir a evolução cultural da complexa música de arte ocidental da música mais simples de caçadores-coletores (Nettl e Bohlman, 1991; Nettl, 2006).

Como a seção anterior deixou claro, velhas suposições sobre os papéis do progresso e genes na evolução foram descartadas por estudiosos evolutivos culturais modernos. No entanto, os etnomusicólogos ainda muitas vezes igualam idéias sobre a evolução cultural da música com as dos primeiros musicólogos comparativos. Rahaim abre sua resposta a Grauer, observando que seu uso da “linguagem fora de moda da genética humana e da biologia evolutiva” levaria muitos etnomusicólogos a suspeitar:

Será que os “ecos de ancestrais esquecidos” acabam por ser ecos do darwinismo social? Isto seria uma releitura da história da heróica ascensão musical da Europa moderna acima do resto do mundo?

Da mesma forma, a resposta de Mundy a Grauer afirma que “a concepção do progresso inerente à evolução cria suas próprias hierarquias” (Mundy, 2006, p. 22). Em outros lugares, Kartomi (2001, p. 306) rejeitou a aplicação da teoria evolutiva na classificação de instrumentos musicais porque “os conceitos de evolução e linhagem não são aplicáveis a nada além de seres animados, que são capazes de herdar genes de seus antepassados”Nota de rodapé6. No geral, desde que mudou seu nome de musicologia comparativa para etnomusicologia durante meados do século XX, o campo tem evitado em grande parte a discussão da evolução musical, e os recentes avanços em nossa compreensão da evolução cultural ainda têm que fazer um impacto substancial na musicologia.

Macroevolução e Cantometria

Macroevolução e Cantometria
Através da classificação padronizada e análise estatística de 36 características estilísticas de aproximadamente 1800 canções tradicionais de 148 sociedadesFootnote7, Lomax classificou a diversidade musical do mundo em 10 estilos regionais. Embora essa classificação não tenha sido baseada em suposições evolutivas, a Lomax passou a organizar e interpretar esses 10 estilos na forma de uma árvore filogenética bruta:

Esta árvore de estilo de desempenho parece ter duas raízes: (1) na Sibéria e (2) entre os coletores africanos. Europa Ocidental e Oceania, florescendo tarde nas fronteiras dessas duas antigas especializações, mostram parentesco para ambos. (Lomax, 1980, p. 39-40)

Aspectos do progressismo

Embora esta árvore retenha alguns aspectos do progressismo (por exemplo, coletores africanos contemporâneos que ocupam as “raízes” enquanto outras tradições “se tornaram mais complexas”, A Europa Ocidental “florescendo tarde”),ela também mostra conceitos mais sofisticados, como a possibilidade de múltiplos ancestrais (poligênese) e de empréstimos/fusão entre linhagens (transmissão horizontal). No entanto com algumas modificações, pode ser convertido em um modelo filogenético como uma hipótese de trabalho para testes/refinamento futuros.

Em princípio Cantometrics forneceu o ponto principal de partida tanto para o ensaio Footnote9 de Grauer quanto para uma série de estudos científicos recentes explorando paralelos na evolução musical e genética. Alguns desses estudos comparam diretamente padrões de diversidade musical e genética entre populações de certas regiões (por exemplo, África Subsaariana [Callaway, 2007], Eurásia [Pamjav et al., 2012], Taiwan [Brown et al., 2014], Nordeste da Ásia [Savage et al., 2015]).

Microevolução e pesquisa familiar de sintonia

Microevolução e pesquisa familiar de sintonia
Evolução cultural, mecanismo

Em princípio os mecanismos gerais propostos por Sharp e Karpeles para a evolução da família de música britânico-americana foram explorados mais profundamente por estudiosos como Bertrand Bronson (1959-72, 1969, 1976), Samuel Bayard (1950, 1954), Charles Seeger (1966), Anne Shapiro (1975) Nota de rodapé12, Jeff Titon (1977), e James Cowdery (1984; 2009). Em outras palavras, os paralelos melódicos foram explicitados alinhando notas que se pensava compartilharem a descendência de um ancestral comum e reconstruindo verbalmente o processo histórico de mudanças evolutivas.

Por exemplo, Bayard usou uma série de alinhamentos melódicos para ilustrar o “processo, muitas vezes concebido, mas raramente realmente observado … de uma melodia de ter material adicionado ao seu fim e também perder material desde o seu início “, dando “evolução de um ar fora de outro por variação, exclusão e adição” (Bayard, 1954, p. 25). Assim também Charles Boilès (1973) até propôs um método formal para reconstruir proto-melodias ancestrais, com base no método comparativo linguístico para reconstruir proto-línguas. Ao mesmo tempo Bronson tentou automatizar tais tentativas em grande escala. Visto que suas tentativas de usar punch-cards para classificar mecanicamente milhares de variantes melódicas de baladas infantis e outras melodias folclóricas tradicionais britânico-americanas em famílias de sintonia (Bronson, 1959-72, 1969) representou um dos primeiros usos de computadores em musicologia, mesmo antes do Cantometrics Project Footnote da Lomax.

Evolução cultural, meus estudos

Evolução cultural, meus estudos

Assim também recentemente, os cientistas tentaram aplicar métodos micro evolucionários a uma variedade de gêneros ocidentais e não ocidentais. No entanto na forma de técnicas de alinhamento de sequências adaptadas da biologia molecular; van Kranenburg et al. 2009; Toussaint, 2013; Windram et al., 2014; Savage e Atkinson, 2015). Bem como tais técnicas tornam possível automatizar coisas como quantificar semelhanças melódicas e identificar limites entre as famílias de música (Savage e Atkinson 2015; Jan, 2018), possibilitando a análise em grandes escalas que seria impossível de executar manualmente.

Além disso, alguns cientistas exploraram a microevolução musical em laboratório, usando técnicas originalmente projetadas para explorar a evolução controlada de organismos e línguas.

Sobre admin

Veja Também

Jogos e computação gráfica, como a tecnologia está ligada

Jogos e computação gráfica são fotos e filmes criados em computadores de exploração. Normalmente, o ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *