Home / Tecnologia / Blockchain tudo o que você precisa saber

Blockchain tudo o que você precisa saber

Tudo o que você precisa saber sobre o Blockchain

 

Tudo o que você precisa saber sobre o Blockchain

O que é o blockchain?

Blockchain é um dos maiores chavões em tecnologia agora. Mas o que é isso? E por que todos os seus amigos e familiares estão falando sobre isso?

Vamos começar desde o início. A primeira grande aplicação da tecnologia blockchain foi bitcoin, que foi lançado em 2009. Bitcoin é uma criptomoeda e o blockchain é a tecnologia que o sustenta. Uma criptomoeda refere-se a uma moeda digital que é executada em um blockchain.

Entender como o blockchain funciona com bitcoin nos permitirá ver como a tecnologia pode ser transferida para muitos outros casos de uso do mundo real.

Bitcoin é a ideia de uma pessoa misteriosa ou grupo de pessoas conhecidas como Satoshi Nakamoto. Ninguém sabe a identidade de Nakamoto, mas sua visão foi definida em um whitepaper de 2009 chamado “Bitcoin: A Peer-to-Peer Electronic Cash System”.

O blockchain bitcoin

O blockchain por trás do bitcoin é um livro-razão público de cada transação que ocorreu. Não pode ser adulterado ou alterado retrospectivamente. Os defensores da tecnologia dizem que isso torna as transações bitcoin seguras e seguras do que os sistemas atuais.

Então aqui estão alguns fatos sobre bitcoin:

  • Não é emitido por uma autoridade central.
  • Há um limite de 21 milhões.
  • Atualmente, pouco mais de 17 milhões estão em circulação.
  • Acredita-se que a primeira transação usando bitcoin seja realizada por um programador chamado Laszlo Hanyecz, que gastou 10.000
  • bitcoins em duas pizzas do Papa John em 2010.
  • A identidade do criador bitcoin Satoshi Nakamoto permanece um mistério.
  • Bitcoin tem sido frequentemente usado para comprar produtos ilícitos, como drogas.

Como funciona?

Tudo o que você precisa saber sobre o Blockchain

O blockchain bitcoin é “descentralizado”, o que significa que não é controlado por uma autoridade central.

Enquanto as moedas tradicionais são emitidas pelos bancos centrais, bitcoin não tem autoridade central. Em vez disso, o blockchain bitcoin é mantido por uma rede de pessoas conhecidas como mineiros.

Esses “mineiros”, às vezes chamados de “nós” na rede, são pessoas executando computadores construídos especificamente que estão realmente competindo para resolver problemas matemáticos complexos, a fim de fazer uma transação passar.

Por exemplo, digamos que muitas pessoas estão fazendo transações bitcoin. Cada transação se origina de uma carteira que tem uma “chave privada”. Esta é uma assinatura digital e fornece prova matemática de que a transação veio do proprietário da carteira.

Agora imagine que muitas transações estão ocorrendo em todo o mundo. Essas transações individuais são agrupadas em um bloco, organizado por regras criptográficas rígidas. O bloco é enviado para a rede bitcoin, que são compostas por pessoas executando computadores de alta potência. Esses computadores competem para validar as transações, tentando resolver quebra-cabeças matemáticos complexos.

O vencedor recebe um prêmio em bitcoin.

Este bloco validado é então adicionado em blocos anteriores criando uma cadeia de blocos chamada blockchain.

Como o blockchain é inviolável?

Tudo o que você precisa saber sobre o Blockchain

Uma das vantagens do blockchain é que ele não pode ser adulterado. Cada bloco que é adicionado na cadeia carrega uma referência dura e criptográfica ao bloco anterior.

Essa referência faz parte do problema matemático que precisa ser resolvido para trazer o seguinte bloco para a rede e a cadeia. Parte da resolução do quebra-cabeça envolve trabalhar fora número aleatório chamado de “nonce”. O nonce, combinado com os outros dados, como o tamanho da transação, cria uma impressão digital chamada hash. Isso é criptografado, tornando-o seguro.

Cada hash é único e deve atender a certas condições criptográficas. Uma vez que isso acontece, um bloco é concluído e adicionado à cadeia. A fim de adulterar isso, cada bloco anterior, do qual há mais de meio milhão, exigiria que os quebra-cabeças criptográficos fossem reminados, o que é impossível.

Prós, contras e alternativas

Pode parecer um processo desnecessariamente complicado para mover o dinheiro. Mas o blockchain tem suas vantagens.

Com métodos tradicionais de pagamento, todas as transações no mundo são registradas em bancos de dados privados de propriedade de entidades corporativas e estatais. Estas bases de dados não são acessíveis pelo público e, portanto, são fechadas. Eles também são geralmente de propriedade de uma entidade. Por causa dessa natureza, eles podem estar abertos a fraudes ou a serem atingidos por um ataque que poderia paralisar uma rede, ao contrário do blockchain do bitcoin. Agora pense no blockchain como um banco de dados reforçado. Ele registra todas as transações em bitcoin, não permite pagamentos repetidos e exige que várias partes autentem o movimento da moeda digital.

Como o blockchain não está centralizado, isso também significa que se uma parte dele caísse, toda a rede não entraria em colapso. Há muitas partes diferentes da rede bitcoin que exigem que ele funcione. Assim, mesmo que um mineiro saiu de ação, por exemplo, as transações ainda funcionam.

Problemas com o blockchain do bitcoin

O blockchain do Bitcoin foi projetado para ser uma rede descentralizada. Com isso, no entanto, veio uma série de problemas.

Um grande problema é que os tempos de transação e os custos em bitcoin subiram à medida que a rede se tornou mais congestionada. Isso levou a desentendimentos por parte de várias partes que defendem a rede sobre como a tecnologia deve se desenvolver no futuro, a fim de resolver estas questões.

Por exemplo, no ano passado, um grupo de desenvolvedores que não concordou sobre o futuro do bitcoin, rompeu e dividiu o blockchain subjacente. Isso levou à criação de um ramo bitcoin conhecido como dinheiro bitcoin. Outro chamado garfo aconteceu, resultando em ouro bitcoin.

Tempo médio de confirmação de transação do Bitcoin

Uma série de outras questões também foram sinalizadas, incluindo a presença de material ilícito enterrado no blockchain bitcoin. Sabemos que um único bloco contém dados necessários para uma transação bitcoin passar. Mas dentro desses dados, os pesquisadores encontraram alguns exemplos de conteúdo, como pornografia infantil. Esses arquivos de imagem ou vídeo padrão seriam criptografados ao lado dos dados legítimos do bitcoin e, portanto, são muito difíceis de encontrar.

Uma outra fraqueza do blockchain do bitcoin também é a mesma coisa que o torna atraente: recompensas. Como mencionado anteriormente, os mineiros que mantêm a rede são recompensados em bitcoin. Mas a mineração custa muito dinheiro na forma de energia para executar os computadores construídos propositadamente e hardware especializado. Existem estimativas diferentes sobre o preço que bitcoin tem que ser para ser rentável. Um dos estudos mais recentes veio do analista de Wall Street Thomas Lee da Fundstrat, que disse que US $ 8.038 para um bitcoin seria rentável para os mineiros. Mas se bitcoin permanece abaixo disso por um longo período de tempo, muitos mineiros poderiam, teoricamente, ir embora, fazendo com que os tempos de transação aumentassem ainda mais e afastando os usuários. O resultado pode ser um colapso da rede bitcoin. Até agora, isso não aconteceu.

Vale apena investir neste negócio?

Mas este tipo de volatilidade e lutas internas claramente não é adequado para os negócios. Portanto, muitas empresas começaram a olhar para o princípio da tecnologia blockchain e adaptá-la ao que funcionaria para seus negócios. As partes da tecnologia blockchain que até agora atraíram empresas incluem a capacidade de ter um livro-razão compartilhado de atividade para ajudar a tornar as transações mais eficientes, um número reduzido de partes intermediárias envolvidas e custos de processamento mais baixos. Quando nos aprofundamos em exemplos do mundo real da tecnologia blockchain, é claro que muitas das coisas que causaram problemas com o blockchain bitcoin não foram adotadas.

Que outros blockchains existem?

O blockchain bitcoin não é realmente feito para as empresas para criar aplicativos e processos. Mas várias outras empresas criaram plataformas blockchain para ajudar empresas interessadas nos processos de construção de tecnologia.

Ethereum, Ripple, Hyperledger, IBM, R3, são apenas alguns nomes que desenvolveram tais plataformas.

Ethereum é essencialmente uma plataforma blockchain especializada em contratos inteligentes. Tem uma moeda digital conhecida como éter ligada a ela. Esta é a segunda maior criptomoeda do mundo em valor. Como o blockchain do bitcoin, o Ethereum’s também é público. Pense em como empresas como a Apple e o Google lançam kits de desenvolvedor de software para permitir que as pessoas criem aplicativos em suas várias plataformas. Ethereum faz algo semelhante, permitindo que as pessoas criem “aplicativos descentralizados” em sua plataforma, aproveitando seu blockchain e potencialmente usando o éter da moeda digital para alimentar seu produto.

Contratos inteligentes são contratos que executam automaticamente quando determinadas condições são cumpridas por todas as partes interessadas. A automação pode ajudar a acelerar o processo, garantindo que não há erros ao longo do caminho.

Enquanto isso, ripple é um blockchain projetado especificamente para transações de moeda transfronteiriça. O movimento de dinheiro de uma moeda para outra em todo o mundo, particularmente para as grandes empresas, é caro e leva muito tempo. O processo envolve lotes de partidos diferentes dos bancos às casas de compensação. O sistema blockchain da Ripple, conhecido como xCurrent, ajuda a cortar alguns dos intermediários, reduzindo uma transação em moeda cruzada para segundos.

Ripple também tem uma criptomoeda ligada a ele conhecida como XRP, mas não é necessariamente necessário para alimentar seu produto xCurrent.

A indústria de serviços financeiros tem sido um dos primeiros motores quando se trata de experimentar com o blockchain. CNBC falou a dois grandes bancos que estão experimentando a tecnologia.

Apostando no blockchain

As promessas da tecnologia blockchain foram elogiadas pelo setor bancário em particular. Eles vêem isso como uma forma de reduzir custos, tornar os processos mais eficientes e, potencialmente, sustentar uma grande parte de suas operações.

Os bancos muitas vezes chamam blockchain de “tecnologia de contabilidade distribuída” ou DLT para distingui-la do blockchain do bitcoin. Muitos grandes bancos começaram a realizar experimentos de blockchain.

CNBC falou com BBVA e Santander sobre o que eles têm feito com a tecnologia.

BBVA e o empréstimo de US$ 90 milhões

O banco espanhol BBVA realizou um projeto piloto no qual emitiu um empréstimo de 75 milhões de euros (US$ 89,7 milhões) usando a tecnologia blockchain para uma empresa chamada Indra.

O processo de emissão atual do empréstimo exige lotes do ida e volta entre vários partidos, um número de versões diferentes de um contrato, e lotes do tempo e do esforço. A solução do BBVA, que foi construída em casa, tem como objetivo tentar reduzir o tempo e o custo. É baseado em contratos inteligentes explicados acima.

Para executar este empréstimo, BBVA e Indra estavam usando um aplicativo desenvolvido pelo banco espanhol. Neste, Indra colocaria todos os detalhes necessários para solicitar o empréstimo. BBVA, então, colocar em mudanças. Isso ia e volta continuaria, mas cada passo seria registrado no blockchain – por isso criou um livro-razão de atividade.

Quando todas as partes concordaram com todas as partes do contrato de empréstimo, o contrato foi executado.

O contrato final foi registrado no blockchain privado e interno desenvolvido pela BBVA.

Só as pessoas com permissão teriam acesso a isso. Mas bbva então também criptograficamente garantiu o contrato e hospedou-o no blockchain Ethereum. O empréstimo BBVA pode ser visto no blockchain Ethereum.

“Vimos que o blockchain não era apenas tecnologia disruptiva, mas poderia ter um impacto com a forma como executamos nossos produtos atuais.”

Alicia Pertusa, chefe de transformação digital da divisão de bancos de investimento do BBVA, disse que estima uma economia de tempo de 40% a 50% ao emitir um empréstimo sobre o blockchain versus o processo tradicional.

“Vimos que o blockchain não era apenas tecnologia disruptiva, mas poderia ter um impacto com a forma como executamos nossos produtos atuais”, disse Pertusa à CNBC por telefone.

Mesmo que o empréstimo foi colocado no blockchain Público Ethereum, BBVA salientou que de forma alguma é o empréstimo ligado à criptomoeda éter.

O julgamento de empréstimo blockchain do BBVA foi apenas entre duas partes – o banco e a Indra. Mas Pertusa falou sobre um processo em que essa tecnologia ajudará muito os processos de empréstimos sindicalizados, onde muitas partes estão envolvidas, por exemplo.

“Isso é o que estamos construindo. Queríamos construí-lo passo a passo. Então podemos adicionar mais festas ao nosso sistema”, disse ela. “Vimos que o blockchain não era apenas tecnologia disruptiva, mas poderia ter um impacto com a forma como executamos nossos produtos atuais”, disse Pertusa à CNBC por telefone.

Santander and cross-border money

O credor espanhol Santander lançou um serviço conhecido como One Pay FX que funciona no produto blockchain ripple conhecido como xCurrent, descrito anteriormente no artigo.

Ele permite que os clientes enviem dinheiro de uma moeda para outra em vários países, incluindo Espanha, Reino Unido, Brasil e Polônia.

A tecnologia xCurrent da Ripple envia mensagens entre os bancos envolvidos que carregam os dados necessários para a transação. Em seguida, ocorre uma fase pré-transação que inclui verificações de verificação. Uma vez que todos os bancos envolvidos têm todos os requisitos necessários para a transação, ela pode ser verificada. Os fundos são então mantidos em todos os bancos e a transferência feita.

“Como indústria, reconhecemos que os pagamentos internacionais não são os mais suaves. Os usuários dessa tecnologia são capazes de mitigar esses pontos de dor.”

Isso acontece em um sistema de contabilidade distribuída que permite a verificação de todos os detalhes entre os vários bancos. Os clientes podem ver quanto dinheiro chegará e o custo da transação em seu aplicativo.

“Como indústria, reconhecemos que os pagamentos internacionais não são os mais suaves. Os usuários dessa tecnologia são capazes de mitigar esses pontos de dor”, disse Ed Metzger, chefe de inovação do Santander Reino Unido, à CNBC em uma recente entrevista por telefone.

Quem mais está experimentando essa tecnologia?

A resposta simples é qualquer entidade que espera tornar os processos mais baratos, mais rápidos e rastreáveis. Vamos dar uma olhada em um punhado de exemplos em diferentes indústrias, não apenas os bancos.

No ano passado, o grupo de bolsa de valores Nasdaq fez uma parceria com o banco sueco SEB para testar uma plataforma de negociação de fundos mútuos baseada em blockchain, por exemplo. A Nasdaq também testou o blockchain para permitir que acionistas de empresas estonianas listadas, que não estavam fisicamente presentes para reuniões, votassem.

A tecnologia Blockchain também pode ser usada para rastrear produtos em uma cadeia de suprimentos ou rota. Por exemplo, o produtor de diamantes De Beers anunciou recentemente que tinha testado a tecnologia para rastrear as pedras a partir do momento em que foram extraídos para entregá-los a um joalheiro. O blockchain também pode ser usado para rastrear a propriedade de ativos como arte de propriedade uniforme.

As eleições são outro espaço ao qual a tecnologia blockchain poderia ser aplicada. Nas eleições primárias da Virgínia Ocidental em maio, alguns eleitores puderam votar através de uma plataforma móvel baseada em blockchain.

O que vem por aí para o blockchain?

Apesar do hype e promessa de blockchain ou DLT, não é algo que será generalizada nos próximos meses.

O estado atual do jogo vê os bancos experimentando com a tecnologia, mas não a doações em larga escala. Ele está sendo usado para processos singulares, como empréstimos no caso do BBVA ou movimento cambial transfronteiriço como o Santander está testando. Mas há uma série de outros casos de uso e até mesmo indústrias que blockchain pode tocar. Seguros, cuidados de saúde e agências governamentais só para citar alguns.

Ainda assim, há uma série de obstáculos que a tecnologia precisa superar para ser viável em todas as principais organizações e indústrias em geral.

Um dos principais é a interoperabilidade. Essencialmente, como os blockchains desenvolvidos por uma empresa funcionarão com a DLT administrada por outra empresa? Há um número de empresas como descrito antes de desenvolver plataformas blockchain. Mas não há garantia de que cada um será compatível com o outro.

Ele pode ser comparado aos primeiros dias dos sistemas operacionais móveis, onde havia vários sistemas, incluindo iOS, BlackBerryOS, Android e Symbian. Agora iOS e Android dominam o mercado de smartphones.

Outro grande fator é se esses sistemas blockchain podem escalar e ser capazes de lidar com os grandes processos de transação necessários entre os setores.

“Não está claro como os blockchains do banco serão estruturados. Esta é uma fonte de debate e confusão.”

Além disso, enquanto muitos dos blockchains existentes são públicos, grandes empresas estão experimentando uma versão privada da tecnologia. Mas no caso do BBVA, eles usaram uma versão pública e privada do blockchain.

“Não está claro como os blockchains do banco serão estruturados. Esta é uma fonte de debate e confusão “, Garrick Hileman, pesquisador da Universidade de Cambridge e CEO da Mosaic.io, disse à CNBC por telefone.

Alguns dos blockchains que discutimos, em particular ethereum, dependem muito do token digital éter para ajudar a impulsioná-lo. Mas até agora, os bancos têm sido relutantes em tocar em qualquer coisa que pareça ou se sinta como criptomoeda.

“Eu não vejo necessariamente a necessidade de usar tokens. Eles são uma ferramenta útil para muitas construções lá fora, mas existem maneiras de usar blockchains públicos sem eles.”

Ainda há conotações negativas com criptomoedas, incluindo oscilações de preços selvagens e a ligação entre bitcoin e pessoas que compram itens ilegais da web escura. Pertusa no BBVA diz que, embora os tokens possam ser úteis para alguns aplicativos, há maneiras de usar blockchains públicos sem eles.

“Eu não vejo necessariamente a necessidade de usar tokens. Eles são uma ferramenta útil para muitas construções lá fora, mas existem maneiras de usar blockchains públicos sem eles”, disse ela à CNBC.

Se este continua a ser o caso não é claro. Tokens digitais será o tema do próximo recurso em profundidade da CNBC nesta série.

Enquanto a tecnologia blockchain está sendo experimentada em várias indústrias, o futuro ainda é incerto e o poder e as limitações dessa tecnologia ainda não estão claros.

Se blockchain começa a alimentar o mundo e é a maior força disruptiva desde a internet, como alguns sugeriram, continua a ser visto.

 

Credits
Writer: Arjun Kharpal
Design and code: Bryn Bache
Editor: Matt Clinch

Veja Também

Tecnologia A Favor Do Agronegócio

Agronegócio e tecnologia uma parceria que deu certo

Agronegócio e tecnologia uma parceria que deu certo Agronegócio e tecnologia uma parceria que deu ...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *